Prevenção ajuda a diminuir incidência de pragas e prejuízos na lavoura de arroz

Livro apresenta receitas culinárias feitas por produtores de arroz
1 de junho de 2017
Arrozeiros podem explorar crescimento do mercado sem glúten
2 de junho de 2017
Exibir tudo
Tema fez parte da Programação Rural da Semana Arrozeira de Alegrete na Localidade da Conceição, que também abordou palestra sobre o Empoderamento Feminino
A Programação Rural da décima Semana Arrozeira, promovida pela Associação dos Arrozeiros de Alegrete, prosseguiu nesta quarta-feira, dia 31 de maio, com palestras e oficinas na Escola Municipal de Ensino Básico Murilo Nunes de Oliveira, na Localidade da Conceição. Este foi o terceiro Polo visitado de quatro que estão programados para o evento.
A Identificação e Monitoramento de Pragas e Doenças em Lavouras de Arroz Irrigado foi uma das palestras assistidas pela comunidade local realizada por Alex Vercílio, do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). Vercilio iniciou sua fala enfatizando o alto custo da lavoura para que o produtor alcance uma boa produtividade. “Conseguir equilibrar investimento, custo e rentabilidade é sempre uma briga constante”, afirmou.
Vercílio salientou que para o produtor ter um melhor retorno é importante identificar e fazer o monitoramento de pragas nas lavouras. Segundo o técnico, a lavoura de arroz é uma construção de detalhes para alcançar alta produtividade e mantê-la. “Os cinco principais pontos que devem ser observados para uma boa lavoura são época de plantio, semente, adubação, manejo de irrigação e controle de plantas daninhas. Não podemos perder depois do jogo ganho”, explicou.
Conforme Vercílio, é fundamental fazer a prevenção em relação a pragas e doenças, observando e monitorando para identificar se o inseto tem potencial de dano econômico para a lavoura. “O inseto só se torna praga quando atinge o nível máximo da população e acaba gerando perdas. Por isso é importante observar as condições climáticas para a semeadura e, se identificar pragas, realizar o controle químico”, ressaltou.
Vercílio alertou ainda sobre a importância dos inimigos naturais do arroz irrigado, como aranhas, joaninhas, entre outros. “O uso exagerado de inseticidas pode eliminar o inimigo natural, por isso, quanto mais equilibrado o ambiente da lavoura, menos danos”, observou.
Com relação a doenças causadas por fungos, Vercílio lembrou a necessidade ter cuidados básicos como qualidade e distribuição do adubo. “A nossa região não é muito afetada, tem ataques, mas é bem controlado. Hoje se fala em doença devido a cultivares que quebraram a resistência por serem mais antigas. Para diminuir a probabilidade de doenças também é preciso observar a época de semeadura, quanto mais no período adequado, menos chance de seu surgimento “, destacou.
A programação na Localidade da Conceição também teve uma Conversa entre Mulheres e Empoderamento Feminino, com a enfermeira Viviane Carlosso e a empresária Tatiana Cartagena da Endime, empresa que trabalha desde 2013 com o desenvolvimento pessoal e profissional para as mulheres. Participaram professoras e mulheres da comunidade. Entre os temas tratados, foram salientadas as doenças de base emocional que podem gerar problemas físicos e a importância em buscar conhecimento e tratamento.
Foto: Flávio Burin/Divulgação
Texto: Rejane Costa/AgroEffective