Semana Arrozeira debate inclusão do arroz na merenda escolar

Mobilização dos caminhoneiros ganha espaço na Semana Arrozeira
28 de maio de 2018
Mercado mundial sinaliza oportunidade de exportação para o arroz brasileiro
31 de maio de 2018
Exibir tudo
Assunto foi tema de sessão descentralizada da Câmara de Vereadores de Alegrete que também abordou projeto para instalação de fábrica de farinha de arroz no município 
A importância de colocar os derivados de arroz no mercado foi o principal tema da sessão descentralizada da Câmara Municipal de Vereadores de Alegrete que ocorreu na manhã desta segunda-feira, dia 28 de maio, e fez parte da programação da 11ª Semana Arrozeira do município. A sessão realizada no CTG Aconchego dos Caranchos, foi aberta pelo presidente da Câmara, o vereador Luciano Belmonte.
A presidente da Associação dos Arrozeiros de Alegrete, Fátima Marchezan, afirmou ser um momento muito importante quando estão reunidos os poderes legislativo e executivo ao lado do setor produtivo em busca de alternativas para o desenvolvimento do município e para a sustentabilidade de uma das cadeias produtivas que ajuda a sustentar a economia alegretense. Lembrou que a contribuição do arroz no PIB do município, conforme o valor de mercado do produto, está em torno de 20%, portanto afeta econômica e socialmente a comunidade.
Fátima destacou a iniciativa em trazer para Alegrete uma pequena fábrica de farinha de arroz com o objetivo de estimular o empreendedorismo com pequenas agroindústrias fabricando pães, biscoitos e diversos produtos à base dessa farinha, oferecendo um alimento saudável, com valor agregado. “À medida que se faz a farinha e a coloca em outros produtos, se agrega ainda mais valor trazendo benefícios tanto para a comunidade quanto para a cadeia produtiva. O incentivo para a produção da farinha de arroz não significa apenas buscar uma diversificação no consumo, mas também a sustentabilidade para o produtor”, enfatizou.
Antes de iniciar a sessão ordinária da Câmara Municipal, ocorreu a palestra “Derivados de Arroz – Novos Caminhos para o aumento do consumo”, com a diretora social da Associação de Arrozeiros de Palmares do Sul,Capivari do Sul, Osório, Cidreira e Balneário Pinhal, Lívia Carvalho. Iniciou a sua fala destacando que existe um mercado rico para o arroz que é possível aproveitar em várias frentes. Citou as iniciativas que a sua Associação vem fazendo para colocar o produto na merenda escolar, na cesta básica e também para a aquisição de uma máquina de beneficiamento e ensaque da farinha de arroz destinada à agricultura familiar. “É uma visão de empreendedorismo e de descobrir todas as possibilidades que o arroz tem para contribuir com a comunidade e também com a cadeia produtiva”, afirmou.
Lívia destacou que em três anos houve um grande crescimento nas gôndolas dos supermercados de produtos sem glúten, lembrando que a farinha de arroz é a base dessa alimentação. Disse ainda que é preciso vencer o preconceito que possa existir a este novo produto e mostrar que sabendo trabalhar com ele haverá melhoria na saúde e também alavancará as vendas da cadeia produtiva do arroz. “E quando tudo estiver funcionando podemos entrar nas agroindústrias alimentares”, colocou.
A palestrante também enumerou as ações que a Associação e Arrozeiros de Palmares do Sul vem fazendo para diversificar o mercado do arroz. “Estamos incentivando a inclusão da farinha de arroz e derivados na merenda escolar no Estado, com o Projeto Arroz na Escola, e em programas como o de Aquisição de Alimentos, do governo federal. A realização de cursos também faz parte das nossas ações e o Senar  já disponibilizou curso único para farinha de arroz, com duas professoras. que irão fazer um bom trabalho que deve chegar a todo o Rio Grande do Sul”, observou.
Lívia abordou ainda em sua palestra que foi feito um ensaio sensorial na Cientec introduzindo 20% de farinha de arroz em pães à base de trigo, e teve uma resposta positiva. Salientou também que a sua Associação conseguiu por intermédio do Secretário de Segurança Alimentar, Caio Rocha, a aquisição de uma máquina para beneficiamento e ensaque da farinha de arroz destinada à agricultura familiar, que deve ser disponibilizada em torno de 15 dias. “Também é muito importante trabalhar com as crianças nas escolas mostrando os benefícios do arroz e seus derivados, levando-as, inclusive, às propriedades arrozeiras para mostrar o trabalho desenvolvido nas lavouras”, enfatizou.
Durante a sessão descentralizada da Câmara Municipal também foi informada a proposta de criação de uma Frente Parlamentar para tratar sobre o alimento saudável e que dará ênfase ao  projeto de lei que prevê a inclusão dos derivados de arroz na merenda escolar do município. A ideia é também impulsionar as propostas da Associação dos Arrozeiros de Alegrete como o projeto de  instalação de uma fábrica de farinha de arroz no município.
Foto: Flávio Burin/Divulgação
Texto: Rejane Costa/AgroEffective