Semana Arrozeira inova e proporciona aos produtores a primeira Jornada Técnica e Comercial

Homenagens na Semana Arrozeira marcam noite de emoções
2 de junho de 2017
Exibir tudo

Jornada Microgeo - Crédito Flávio Burin Divulgação

Empresas parceiras do evento em Alegrete apresentaram soluções técnicas para as lavouras e linhas de financiamento

Diversos temas como linhas de crédito e tecnologias para o arroz irrigado, entre outros, foram abordados nesta sexta-feira, dia 2 de junho, na Primeira Jornada Técnico-Comercial Arrozeira com as empresas parceiras da décima Semana Arrozeira de Alegrete, promovida pela Associação dos Arrozeiros do município. O evento ocorreu pela manhã na sede da Superintendência Regional do Sicredi. As empresas que participaram da Jornada foram Sicredi, Heringer, CAAL, Super Tratores e Microgeo.
Geovano Parcianello, representante da Associação dos Arrozeiros de Alegrete, abriu a Jornada Técnica afirmando que é uma nova proposta da entidade visando contemplar uma demanda dos produtores por palestras técnicas. Salientou que a intenção é trocar ideias com as empresas participantes do evento sobre a atividade da lavoura arrozeira e trazer soluções. Parcianello também informou que a décima-primeira Semana Arrozeira de 2018 terá como tema Modelos Econômicos e Comerciais. “Vamos debater a sustentabilidade da lavoura daqui a dez ou 15 anos, pensando sobre como será a nova matriz econômica de comercialização. Traremos alguns cases para saber como o produtor está se adaptando às questões de preço e produtividade,” destacou.
Samuel Rizzetti e Derry Tedesco, da Super Tratores, falaram sobre Tecnologias PLM em Máquinas Agrícolas e Consórcio. Conforme Rizzetti, as tecnologias PLM fazem parte da agricultura de precisão. Explicou que se trata da utilização de ferramentas e equipamentos precisos para extrair maior eficiência das máquinas e dos tratos culturais, com o objetivo de otimizar os recursos. “A agricultura de precisão se adapta a todo o ciclo da lavoura. Em uma safra, é utilizada desde a execução de projetos, preparo do solo, plantio, pulverização até a colheita, onde é feito o mapa da produtividade da lavoura,” observou Rizzetti.
Já Tedesco falou sobre o consórcio para vários tipos de produtos dentro da linha New Holland. Mostrou que pode ser utilizado como lance, sorteio embutido ou livre. Tedesco salientou que a tecnologia é imprescindível na agricultura, pois gera aumento da produtividade. “É importante ter planejamento para o futuro, uma vez que no campo sempre terão novos produtos para serem adquiridos pelos produtores. E o consórcio é um modelo muito utilizado no Brasil”, destacou.
Thiago Lima Nunes, supervisor técnico da Fertilizantes Heringer, que atende toda a Região Sul do Estado, abordou o tema “Tecnologias para Adubação de Arroz Irrigado”. Ressaltou dois produtos importantes que a empresa apresenta ao mercado com o objetivo de agregar produtividade às lavouras. O carro-chefe é a tecnologia FH Humics que proporciona menos fixação de fósforo no solo, disponibiliza mais micronutrientes para absorção das plantas e reduz a perda de potássio. O outro produto é o FH Nitro Mais, um fertilizante nitrogenado que agrega boro e cobre, reduzindo as perdas de nitrogênio. “Os outros benefícios desta tecnologia são fornecimento de micronutrientes, alta eficiência e produtividade e melhor relação custo/benefício”, salientou.
Miro Schmidt, da Dow AgroSciences, a convite da CAAL, falou sobre Manejo de Arroz Irrigado. Na sua opinião, já existe um atraso no preparo do solo e com o excesso de chuvas, o produtor terá que trabalhar no lodo. Outra questão abordada, foi o aumento no número de invasoras.”Há pouco tempo se falava em três ou quatro invasoras, hoje nomeamos entre dez e 12. Algumas vezes ocorre a reinfestação de invasoras antes da implantação do arroz, por isso, é interessante usar herbicidas que tenham mais efeito residual para poder ter uma situação melhor”, afirmou Schmidt.
Bruno Leonardi Leal, gerente do Sicredi Agência Centro Alegrete, e Thiofana Vargas da Costa, gerente da agência Cidade Alta, falaram sobre Soluções de Crédito Sustentável. Thiofana citou as diversas linhas de financiamento disponibilizadas. Entre elas estão as linhas de BNDES, as próprias da cooperativa, convênios com empresas de energia e consórcio sustentável. Confome a representante do banco, as linhas do BNDES são Pronaf-Investimento, Inovagro, Finame BK, além das linhas de recurso próprio e o consórcio sustentável. “Também temos a linha de financiamento voltada para energia solar no Pampa Gaúcho que já liberou R$ 1 milhão e com as operações em andamento, totaliza até o momento R$ 2,7 milhões”, informou.
De acordo com Leal, o Sicredi está apostando na concessão de crédito para a energia solar por acreditar que este é o futuro tanto no campo quanto na cidade, e pela preocupação com sustentabilidade e eficiência. Citou como case a Superintendência Regional do Sicredi que investiu cerca de R$ 460 mil para a instalação de energia solar que vai abastecer as 11 agências e o prédio da Superintendência na região. “O tempo estimado de retorno é de três anos e meio, com um valor de mais de R$ 95 mil no primeiro ano”, explicou.
Edson Lagemann, engenheiro agrônomo da Microgeo, abordou o tema Adubação Biológica. Informou que o principal objetivo da aplicação do microgeo é a reestruturação física do solo, dando condições melhores para a produção. “Em cinco meses de aplicação desse microorganismo já é possível ter resultado positivo em solos compactados devido ao sistema de monocultura”, destacou. De acordo com Lagemann, o uso do microgeo resolve a compactação, a erosão, o baixo enraizamento e a pressão de pragas. “Os benefícios, no entanto, vão além, como sanidade da cultura, estande de plantio, capacidade operacional, água no solo, manejo nutricional e lucratividade”, salientou.
Mais informações sobre a Semana Arrozeira podem ser obtidas no site www.semanaarrozeira.com.br.
Fotos: Flávio Burin/Divulgação
Texto: Rejane Costa/AgroEffective